Ofelia Prodan

 

 

 

(Roménia)

 

 

A Velha

 

Está uma velha mendiga encolhida nos degraus de um prédio. A mão dela é longa e enrugada. Conseguiu juntar algumas moedinhas. Às vezes tinem e nessa altura inclina a cabeça e fecha os olhos, como se aquele tinir fosse a mais bela melodia. Ao procurar no blusão encontro uma moeda. Quis pô-la na mão da velha mas fechou a palma da mão, ri-se e com a sua boca desdentada diz-me: achas que te vou deixar fazeres a boa acção do dia? Recomponho-me do espanto e permaneço petrificada enquanto a velha se levanta dos degraus agilmente, como uma menina, e se vai embora saltitando com um pé, tinindo as moedas aos ouvidos.

 

 

 

 

Máquina de Escrever

 

O rapaz em vez de ter um coração tem uma máquina de escrever velha. À noite vem uma mulher velha, senta-se à frente da máquina de escrever, com os dedos ossudos e magros, e bate rapidamente cada palavra. Ela escreve o que ele sonha. Quando o rapaz acaba de sonhar a mulher levanta-se da cadeira, agarra a folha escrita e vai embora. Há já dois anos que ele sonha com esta mulher. Uma noite lembrou-se de uma artimanha: pôs o despertador para tocar antes de ela acabar de escrever. Tomou dois soporíferos e enfiou-se na cama, adormeceu rapidamente e começou a sonhar. A mulher chegou, sentou-se na cadeira e começou a bater nos botões da máquina de escrever. Desta vez o sonho desenrola-se rapidamente, até que, no momento em que o despertador toca a folha fica parada a metade na máquina de escrever. A mulher rasga por metade e desaparece. Ele levanta-se, tira o resto da folha que foi deixada e lê. Durante o dia seguinte pensa numa nova artimanha. Quando anoitece toma de novo os soporíferos e adormece de imediato. Desta vez é ele quem se senta na máquina de escrever. A mulher chega e fica de pé atrás dele, inclina-se sobre o ombro dele para ver o que escreve. Quando ele chega a metade rasga a folha e entrega-a à mulher. Ela agarra-a enchendo de alegria os olhos cansados e tira do bolso largo do vestido a folha que lhe pertencia. Entrega-lhe e ele agarra-a, depois sai da máquina de escrever sonhando que se esforçava para colar as duas metades e que estas não se ajustavam uma à outra de nenhuma maneira.

 

 

 

 

Freud

 

Éramos dois no mesmo corpo

E entendíamo-nos perfeitamente

Entendíamo-nos tão bem

Que não suspeitava ninguém

Que éramos dois no mesmo corpo

E mesmo que muito diferentes.

 

Quando tínhamos vontade de conversar

Facilmente sucedíamos um ao outro

Quando comíamos algo mais delicioso

Cuidávamos que cada um ficasse satisfeito

Ao morrer de amores por uma mulher

Encontrávamos em cada um a elegante solução

Para lhe chegarmos às ancas

 

A porra foi quando nos apaixonámos

E foi por isso

Que nos tornámos agressivamente rudes

Discussões terríveis por ciúmes

Já não nos suportávamos mais

Começámos a querer o lugar um do outro

Até que o corpo saturado

Até à ponta dos cabelos com os nossos caprichos

Chama Freud e Freud

Tomou-nos o lugar sem nenhum arrependimento

E permaneceu de um modo triste e banal

Sozinho num corpo só.

 

 

Traduzido por Irina Fonseca

 

 

  

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

____________________________________________

 

Ofelia Prodan, nascida a 1972, é uma poetisa romena. Estudou sociologia na Universidade de Bucareste mas a sua estreia absoluta deu-se com o volume Elefantul din patul meu (2007) que foi premiado com o Grande Prémio Ion Vinea (2007), o prémio Revelação da Associação de Escritores de Bucareste (2008) e foi ainda nomeado para o prémio Nacional de Poesia Mihai Eminescu – Obra Prima (2008). Seguiram-se-lhe Cartea mică (2007); Invincibili (2008); Ruleta cu nebun (2008), În trei zile lumea va fi devorată (2010) şi Ulise şi jocul de şah / Ulysses and the game of chess (edição bilingue, 2011) e foram igualmente premiados e nomeados por alguns dos mais importantes prémios literários da Roménia. A sua obra foi lida publicamente em Espanha e na Alemanha. Os seus poemas foram publicados em revistas de Espanha, Bélgica e Ungária. É membro da União dos Escritores da Roménia, filial de Bucareste. O seu blog pessoal é: http://ofelia-oneeyeopen.blogspot.com/.

 

 

Articles similaires

Tags

Partager